Encontro aborda o uso da ACV nas tomadas de decisão do setor governamental

Publicado dia 23/11/2017

O evento aconteceu na Embaixada da Suíça em Brasília e discutiu políticas públicas para melhoria do desempenho ambiental e de produtos

A Embaixada da Suíça no Brasil, o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e a ecoinvent promoveram, nesta terça-feira (21), seminário sobre o uso da metodologia do Ciclo de Vida nas tomadas de decisão do setor governamental. O evento foi realizado na sede da embaixada suíça, em Brasília, e contou com a presença de representantes de várias instituições.

O seminário foi realizado pelo Programa Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida no Brasil (PBACV), iniciativa que fomenta o uso da técnica de Avaliação do Ciclo de Vida (ACV).

O evento, composto por apresentações e mesas-redondas, teve como foco a apresentação da ACV e como ela pode ser usada para medir o desempenho ambiental de produtos e serviços. Também se discutiu o impacto da ACV na construção de políticas públicas. O seminário faz parte do escopo do projeto “ACV de A a Z”, financiado pela ecoinvent, que visa a sensibilização e a capacitação em ACV, programa pelo qual o IBICT é um dos responsáveis.

O embaixador da Suíça, Andrea Semadeni, ressaltou a parceria entre o governo suíço e o IBICT na área de ACV, já existente há quase 14 anos, e que envolve responsabilidade social e ambiental. “O projeto já no momento de divulgação dos resultados alcançados. Nessa linha temática, vale ressaltar que a Embaixada da Suíça é a primeira em Brasília a seguir o conceito de green embassy. Na nossa sede, toda a eletricidade é produzida por painéis solares, uma das ações que demonstram a atenção da nossa missão diplomática com o meio ambiente”, observou.

Cecília Leite, diretora do IBICT, lembrou o início do projeto e da parceria com a Embaixada da Suíça. “O primeiro evento de ACV organizado pelo IBICT, já na perspectiva de um programa brasileiro dessa metodologia, foi justamente aqui na embaixada suíça. Foram os suíços que fizeram a primeira capacitação para o IBICT, dando início ao grupo de trabalho, que hoje entrega relevantes resultados para a sociedade brasileira”.

O representante da ecoinvent, Amir Safaei, evidenciou a relevância na criação de um espaço de discussão sobre políticas públicas para a área de ACV, com a presença de representantes de instituições brasileiras e suíças. “O Brasil está numa fase importante nessa área, e precisa continuar avançando no desenvolvimento dessa metodologia, que é internacional e cada vez mais presente na vida das indústrias e dos consumidores. O Brasil é um ator muito importante no mercado global, e deve aproveitar esse momento para ativar os potenciais dentro do país, a fim de cumprir as regras internacionais de ACV”, destacou Safaei.

Tiago Braga, coordenador de Tecnologias Aplicadas a Novos Produtos do IBICT, apresentou o projeto de ACV do instituto, a estrutura do PBACV e explicou como funciona o Banco Nacional de Inventários de Ciclo de Vida (SICV Brasil). A ferramenta tem como missão manter e assegurar o acesso aos dados de inventários de produtos e processos da indústria brasileira, bem como validar as informações a serem inseridas.”O SICV contribui para o fortalecimento da ACV no país ao permitir não apenas o agrupamento de inventários, mas também ao garantir o acesso livre e gratuito ao banco nacional”, ressaltou.

Representantes de várias instituições estiveram presentes, entre elas o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), em inglês: United Nations Environment Programme (UNEP), e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Com informações de Victor Almeida

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn