Palestrantes do BRACV 2019 destacam o crescimento da ACV no país

Publicado dia 27/06/2019

O evento, que ocorre até o dia 28 (sexta-feira), tem como tema central a Sustentabilidade da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) no Brasil

“O crescimento do BRACV [III Fórum Brasileiro de Avaliação do Ciclo de Vida] revela como a temática de Avaliação do Ciclo de Vida vem ganhando cada vez mais força no Brasil e como o IBICT tem sido essencial para seu desenvolvimento”, afirmou Cecília Leite, diretora do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), durante a mesa de abertura do BRACV 2019, realizada ontem (26), na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Curitiba (PR).

Para o reitor da UTFPR, Luiz Alberto Pilatti, “foi uma honra receber na universidade um evento que trata de um assunto que deveria ser de interesse de toda a população brasileira”. O evento, que ocorre até o dia 28 (sexta-feira), tem como tema central a Sustentabilidade da Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) no Brasil. A expectativa é que o encontro, além de possibilitar a realização de uma nova etapa de discussões, colabore para o acompanhamento de avanços obtidos a partir das edições anteriores do BRACV.

Além da diretora do IBICT e do reitor da UTFPR, participaram da mesa de abertura Édson Rivelino Pereira, superintendente da Secretaria Municipal de Abastecimento (SMAB), Marcos Flávio de Oliveira Schiefler Filho, diretor-geral do campus Curitiba da UTFPR, Cristiane Sampaio, pesquisadora do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), Tiago Braga, coordenador de Tecnologias Aplicadas a Novos Produtos (COTEA/IBICT), que é também coordenador do BRACV 2019, juntamente com Cássia Ugaya, professora da UTFPR e coordenadora da Rede ACV da UTFPR.

Mesa de abertura do BRACV 2019

Na manhã de abertura do BRACV 2019, o destaque foram os minicursos do evento, sobre a “Relevância de recomendação de Modelos de AICV e regionalização de fatores de caracterização para o Brasil”, a “Estruturação de Inventários do Ciclo de Vida para o Banco Nacional de ICVs – SICV”, os “Programas e declarações ambientais de produto”, e “RenovaCalc: como calcular a intensidade de carbono de biocombustíveis na RenovaBio?”.

 

Bioeconomia, legislação e direitos ambientais marcam a tarde do primeiro dia do BRACV 2019

No período vespertino do primeiro dia do BRACV 2019, foi realizada uma mesa-redonda sobre Sustentabilidade da ACV no Brasil. Estiveram presentes na mesa-redonda: Bruno Nunes, coordenador-geral de Bioeconomia do MCTIC; Tasso Cipriano, membro da Rede Empresarial Brasileira de Avaliação de Ciclo de Vida; Onivaldo Randig, analista em ciência e tecnologia do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e Cássia Ugaya (mediação).

A partir de suas experiências profissionais, os membros da mesa-redonda conduziram as discussões sobre a sustentabilidade da ACV no Brasil, com destaque para questões sobre bioeconomia, legislação, direitos ambientais e pesquisas em ACV no Brasil.

Após a mesa-redonda, houve a apresentação do relatório do BRACV 2017 , e os participantes foram divididos os grupos para as comissões técnicas do dia 27 de junho, conforme abaixo:

Grupos de discussão – Comissões Técnicas

T1- Banco de Dados
Tem por objetivo armazenar e disponibilizar Inventários do Ciclo de Vida (ICVs) para consulta pública de forma a facilitar a geração de novos estudos.

CT2- Inventários
Visa à definição de metodologias de adaptação de inventários para o contexto brasileiro e criação de inventários levando em consideração a realidade nacional.

CT3- Avaliação de Impactos
Visa à identificação de impactos ambientais que devem ser considerados de acordo com o contexto nacional.

CT4- Rotulagem e Comunicação
Visa à difusão da ACV a pesquisadores brasileiros e ao público em geral de forma a disseminar os benefícios da utilização da ACV no Brasil.

CT5- Formação e Capacitação

O BRACV: Em sua primeira edição, que aconteceu no Rio de Janeiro em 2015, o BRACV reuniu cerca de 90 pesquisadores e profissionais da área para discutir e promover estratégias que auxiliem o progresso da ACV no Brasil. O evento surgiu como uma iniciativa capitaneada pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com o objetivo de ampliar e aprofundar as discussões sobre as aplicações da técnica de Avaliação do Ciclo de Vida no Brasil.

Dado o sucesso alcançado em 2015, o IBICT decidiu promover o evento bianualmente. A segunda edição aconteceu em Jaguariúna em 2017, mantendo sua proposta de ser um lugar para discussões democráticas sobre os desafios e oportunidades para o avanço do Pensamento do Ciclo de Vida (PCV) no Brasil com todos os possíveis atores da metodologia no país.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn